Go Balls Out

 

Abril é o mês da luta contra o câncer de testículo e, para conscientizar os homens sobre a prevenção e o auto-exame, a principal organização da Nova Zelândia na luta contra a doença lançou a campanha online #GoBallsOut. A organização está ligada à Fundação de Câncer de Próstata da Nova Zelândia, a principal instituição de caridade na Nova Zelândia que trabalha na área de cânceres masculinos específicos.

O câncer de testículo é o câncer mais comum e afeta homens entre 15 e 39 anos. Infelizmente, a prevenção ainda através do auto-exame não é comumente praticada, o que dificulta na redução do risco.

A campanha convida as pessoas a sair para correr, usando um dos aplicativos tradicionais de corrida com GPS, fazendo uma rota diferente: é para gerar no mapa o formato de um pênis e, claro, depois compartilhar usando a hashtag. Quem tiver dificuldade de criar a rota, pode usar algumas já pensadas disponíveis no site. A maioria faz correndo, mas o “Vaughn”, a terceira imagem desenhada abaixo, fez o percurso de avião. Também houve um caso de uma pessoa que fez de caiaque. Qualquer pessoa pode participar, acesse o site para saber como.

 

 

 

Salvar

Dia Internacional da Síndrome de Down

Captura de Tela 2017-03-21 às 19.17.19

Hoje, dia 21 de março, é o Dia Internacional da Síndrome de Down, data que desde 2006, tem sido reservada para se discutir e pensar em políticas públicas que possam contribuir para que as pessoas com a síndrome possam exercer plenamente sua cidadania.
Este ano o tema de discussão que norteará as ações que acontecerão no mundo todo é “Minha Voz, Minha Comunidade”. Segundo o site da Federação, “O assunto definido busca ampliar a discussão da inserção da pessoa com síndrome de Down na participação das políticas e ações governamentais. A proposta é de que se avaliem as principais propostas voltadas para as pessoas com SD e se realmente é garantida a inclusão efetiva dessas pessoas. Outro ponto levantado pela campanha é de se pensar como os defensores podem se envolver efetivamente nesse processo, desde campanhas na mídia, até a defesa política direta. A capacitação das pessoas com síndrome de Down na defesa si próprias e a definição de ferramentas facilitadoras são também sugestões a partir do tema.”

Em todo o país estão previstas palestras, caminhadas, simpósios, entre outras atividades.

Mais informações sobre a discussão: https://worlddownsyndromeday.org/wdsd-2017

Veja a lista de eventos que acontecerão esta semana: http://www.federacaodown.org.br/portal/index.php/noticias/eventos/156-dia-internacional-da-sindrome-de-down-2017

 

Salvar

8M Greve

O Dia Internacional da Mulher é sempre marcado por ações importantes. Hoje, mulheres de pelo menos 55 países estão se unindo em uma greve geral, inclusive no Brasil. Aqui em São Paulo, um grande encontro está marcado na Av. Paulista com mais de 10 mil mulheres confirmadas e as mulheres prometem greve em todas as capitais brasileiras, já são mais de 25 capitais com eventos marcados. As paralisações e manifestações questionam a desigualdade e a violência de gênero.

8M Brasil_4

No dia 16 de Outubro de 2016, na Argentina, Lucía Perez, uma menina de 16 anos, foi drogada, estuprada e morta. O brutal feminicídio gerou uma revolta muito grande nas mulheres argentinas, que se juntaram e organizaram uma greve de uma hora que ecoou por toda a America Latina. O grito “Ni Una a Menos” (“Nem Uma a Menos”) inspirou centenas de milhares de mulheres a se unirem ao protesto e surgiram, nas redes sociais, as tags #NemUmaAMenos e #TodasVivas. Atualmente, a maioria das manifestações tem utilizado as hashtags.

Na Polônia, as mulheres também entraram em greve em outubro de 2016. A pressão era contra um projeto que endureceria a legislação sobre a interrupção da gravidez no país, uma das mais restritivas da Europa. Assim como por aqui, alguns países vizinhos decidiram organizar greves solidárias para chamar atenção para as lutas das mulheres locais.

A luta pelos direitos da mulher, contra o feminicídio, as diferenças salariais entre gêneros, pelo direito ao aborto livre e pelo fim da cultura do estupro segue envolvendo mulheres do mundo todo todos os anos. Hoje, para mostrar como as mulheres são importantes e fazem falta no seu trabalho e nas tarefas do dia-a-dia, na maioria das vezes trabalhos não reconhecidos, a chamada é para as mulheres faltarem nos seus trabalhos, não fazerem nenhuma tarefa doméstica e se unirem às manifestações.

Se nossas vidas...2

O número de mulheres no mundo que sofrem violência doméstica, abusos sexuais e morais é enorme, e algo precisa ser feito para mudar isso. A partir dessas recentes lutas, se originou o chamado para a Greve Internacional de Mulheres no Dia Internacional da Mulher.

2

  1

Saiba mais sobre a greve no Brasil em: https://www.8mbrasil.com/https://www.facebook.com/GrevedeMulheres/

E acompanhe o que está rolando no mundo com a #8M: https://twitter.com/hashtag/8m

Pensando em um dos problemas graves que as mulheres sofrem, o Manterrupting, termo usado para descrever quando um homem interrompe uma mulher desnecessariamente, a agência BETC Brasil aproveitou a data e lançou um aplicativo que detecta quantas vezes os homens interrompem as mulheres.

“Esse é um tipo de violência que não ganha tanto a atenção das pessoas, mas é um problema muito grande. O ato de interromper uma mulher gera uma opressão à sua opinião e sua expressão e pode ser o primeiro passo para desencadear outras violências maiores”,  copresidente da Havas Creative e da BETC Brasil, Gal Barradas. Confira o vídeo do app:

Salvar

Salvar

#SagaranaParaTodos #PraCegoVer

Muitos deficientes visuais acessam a internet e navegam pelas redes sociais todos os dias com o auxílio de softwares leitores de tela, que transformam o conteúdo dos textos em fala. Infelizmente, estes programas não são capazes de descrever as fotos que acompanham os textos ou as imagens contidas neles, como por exemplo os tão utilizados emoticons ou gifs.

 

14495528_1276058892424618_4478907995140916302_n

 

Com o intuito de disseminar a cultura da acessibilidade nas redes sociais e de descrever o conteúdo de imagens, gifs e fotos que circulam pela rede, a professora Patrícia Braille criou a hashtag PraCegoVer. Conforme descrição da página da hashtag no Facebook, a “#PraCegoVer carrega em si o princípio de que a cegueira às vezes está nos olhos de quem enxerga. Ele existe para o cego que não enxerga a imagem e para o vidente que não enxerga o cego. É uma provocação, um chamamento para as pessoas se enxergarem mais, saírem de suas zonas de conforto e perceberem que podem fazer acessibilidade, mesmo que seja uma breve descrição de uma imagem na internet”.

 

 

Captura de Tela 2017-01-19 às 16.25.07

 

Outro projeto com foco na acessibilidade que tenta melhorar a experiência do deficiente visual é o Emoti Sounds, foi idealizado pela Artplan, lançado pela Tim e realizado com a colaboração do Instituto Benjamin Constant. Com foco no mobile, foi parte da campanha #DaPraSerAssim da Live TIM. A ferramenta é um plugin que, ao ser instalado no leitor NonVisual Desktop Access, melhora a experiência do usuário uma vez que passa a dar som aos emoticons. Ao invés de descrever a figura, a ferramenta reproduz o som do que ele representa. Quando um coração é inserido em uma mensagem, ele é descrito como “emoticon coração”, agora com o plugin Emoti Sounds instalado, passa-se a escutar um som de um coração batendo, o que dá muito mais vida e emoção para quem está ouvindo. São mais de 68 imagens traduzidas e é possível ouvi-las no site, além de fazer o download do plugin.

 

A campanha contou com vídeos também em versão acessível. Confira:

 

Para tornarmos os nossos posts no Facebook acessíveis a todos, criamos a #SagaranaParaTodos, hashtag que irá acompanhar a #PraCegoVer na fanpage da Sagarana.

 

Salvar