Tartarugas no palitinho

Campanha feita pela WWF para conscientizar os moradores de Jakarta sobre o declínio da população de tartarugas na região. A ação foi criada pela agência local “Advantage Advertising”. Um folheto na forma de filhote de tartaruga foi colocado entre palitinhos e distribuído em diversos restaurantes da cidade. A Indonésia possui 6 espécies de tartarugas marítimas das 7 que existem no mundo todo. A diminuição da população deve-se aos hábitos alimentares da região, onde a sopa e os ovos de tartaruga são muito apreciados. O texto do folheto diz: “Apenas um de 1000 filhotes de tartaruga sobrevive até a idade adulta. Para ajudá-los a sobreviver entre no endereço “wwf.or.id/marine” .”

Um Oceano de plástico

Durabilidade, estabilidade e resistência a desintegração. As propriedades que fazem do plástico um dos produtos com maiores aplicações e utilidades ao consumidor final, também o tornam um dos maiores vilões ambientais. São produzidos anualmente cerca de 100 milhões de toneladas de plástico e cerca de 10% deste total acabam nos oceanos.
No oceano pacífico há uma enorme camada flutuante de plástico, que já é considerada a maior concentração de lixo do mundo, com cerca de 1000 km de extensão, vai da costa da Califórnia, atravessa o Havaí e chega a meio caminho do Japão e atinge uma profundidade de mais ou menos 10 metros . Acredita-se que haja neste vórtex de lixo cerca de 100 milhões de toneladas de plásticos de todos os tipos.
A bolha plástica atualmente está em duas grandes áreas ligadas por uma parte estreita. Referem-se a elas como bolha oriental e bolha ocidental. Um marinheiro que navegou pela área no final dos anos 90 disse que ficou atordoado com a visão do oceano de lixo plástico a sua frente. ”Como foi possível fazermos isso?” – ”Naveguei por mais de uma semana sobre todo esse lixo”.
Pesquisadores alertam para o fato de que toda peça plástica que foi manufaturada desde que descobrimos este material, e que não foram recicladas, ainda estão em algum lugar. E ainda há o problema das partículas decompostas deste plástico. Segundo dados do oceanógrafo Curtis Ebbesmeyer, em algumas áreas do oceano pacifico podem se encontrar uma concentração de polímeros de até seis vezes mais do que o fitoplâncton, base da cadeia alimentar marinha.
E para piorar essa sopa plástica pode funcionar como uma esponja, que concentraria todo tipo de poluentes persistentes, ou seja, qualquer animal que se alimentar nestas regiões estará ingerindo altos índices de venenos, que podem ser introduzidos, através da pesca, na cadeia alimentar humana, fechando-se o ciclo, na mais pura verdade de que o que fazemos à terra retorna à nós, seres humanos.

Antes de Reciclar, reduza o seu lixo!

Fontes: The Independent, Greenpeace e Mindfully

Um Oceano de plástico

Durabilidade, estabilidade e resistência a desintegração. As propriedades que fazem do plástico um dos produtos com maiores aplicações e utilidades ao consumidor final, também o tornam um dos maiores vilões ambientais. São produzidos anualmente cerca de 100 milhões de toneladas de plástico e cerca de 10% deste total acabam nos oceanos.
No oceano pacífico há uma enorme camada flutuante de plástico, que já é considerada a maior concentração de lixo do mundo, com cerca de 1000 km de extensão, vai da costa da Califórnia, atravessa o Havaí e chega a meio caminho do Japão e atinge uma profundidade de mais ou menos 10 metros . Acredita-se que haja neste vórtex de lixo cerca de 100 milhões de toneladas de plásticos de todos os tipos.
A bolha plástica atualmente está em duas grandes áreas ligadas por uma parte estreita. Referem-se a elas como bolha oriental e bolha ocidental. Um marinheiro que navegou pela área no final dos anos 90 disse que ficou atordoado com a visão do oceano de lixo plástico a sua frente. ”Como foi possível fazermos isso?” – ”Naveguei por mais de uma semana sobre todo esse lixo”.
Pesquisadores alertam para o fato de que toda peça plástica que foi manufaturada desde que descobrimos este material, e que não foram recicladas, ainda estão em algum lugar. E ainda há o problema das partículas decompostas deste plástico. Segundo dados do oceanógrafo Curtis Ebbesmeyer, em algumas áreas do oceano pacifico podem se encontrar uma concentração de polímeros de até seis vezes mais do que o fitoplâncton, base da cadeia alimentar marinha.
E para piorar essa sopa plástica pode funcionar como uma esponja, que concentraria todo tipo de poluentes persistentes, ou seja, qualquer animal que se alimentar nestas regiões estará ingerindo altos índices de venenos, que podem ser introduzidos, através da pesca, na cadeia alimentar humana, fechando-se o ciclo, na mais pura verdade de que o que fazemos à terra retorna à nós, seres humanos.

Antes de Reciclar, reduza o seu lixo!

Fontes: The Independent, Greenpeace e Mindfully

Presos na rede

Ação da WWF feita pela Saatchi & Saatchi da Nova Zelândia. O objetivo era denunciar o impacto que as redes de pesca causam na vida marítima, especialmente dos golfinhos de Maui, cuja espécie se encontra em extinção. A campanha aconteceu antes de uma votação parlamentar contra o uso das redes. Os golfinhos foram espalhados por diversas grades ao redor de Auckland, na Nova Zelândia, incluindo até mesmo a grade na frente do parlamento. O resultado da votação ainda não foi divulgado. O texto diz: “Ajude a salvar os últimos 111 golfinhos de Maui das redes de pesca. Doe $3 instantaneamente mandando o texto “pare” para a WWF (993).”