Há moedas voando pela rua. Proteja as focas.

Uma ação interativa realizada nas ruas de Hamburgo chamou atenção de muitos pedestres na rua Reeperbahn. Um painel enorme em uma esquina destacou uma cena de um homem frente a frente com uma foca, a um passo de golpear o animal.

Por trás do painel foi colocado um imã e uma seta piscante incentivava os transeuntes a jogarem uma moeda de qualquer valor. Depois da primeira, segunda, terceira… quadragésima moeda presa lá em cima, descobriu-se que justamente na região do homem as moedas se prendiam, escondendo o assassino a cada moeda.

Foi assim, por meio de um gesto ativo, que muitos participaram desta ação arremessando suas moedas, que no caso simbolizaram as doações e também o desaparecimento do assassino das focas.

A campanha é da Noah e é uma maneira de aumentar as doações na luta contra a caça ilegal de focas, alertando as pessoas sobre o assunto. São cerca de 900 mil focas mortas por ano.

Criação: Jung von Matt neue Elbe

Um apelo emotivo pela vida dos animais

Não faz nem uma semana que mostramos uma campanha do Instituto Sea Shepherd Brasil retratando os problemas da pesca predatória (veja aqui), e como ela atinge não só as vidas marinhas, como àquelas que dependem deste tipo de vida para sobreviver.

Para mim, a mensagem anterior foi bem executada e não me deixou com dúvidas na cabeça. Porém, a instituição foi além e resolveu divulgar dois novos anúncios para a mesma campanha.

Com um tom mais emotivo e menos “agressivo”, os anúncios retratam os olhares de animais que sofrem com a pesca predatória. As fotos dos olhos de uma orca e uma garça evidenciam lágrimas de tristeza, e vêm acompanhadas da frase: “A natureza não aguenta mais. Ajude a combater a pesca predatória.”

A criação é da Heads Propaganda.

Campanha contra os “cientistas” caçadores de baleias

A caça as baleias é proibida, mas uma brecha na lei tem sido usada para que a indústria continue com a matança. Os caçadores se disfarçam de cientistas para ter aval e matar baleias em nome da ciência, algo que ainda é permitido. Para conscientizar as pessoas sobre isso a ONG IFAW (International Fund for Animal Welfare) criou uma ação em Melbourne, na Austrália.

Tudo começou com um viral que mostrava uma baleia  nas proximidades de Darling Harbour, após isso eles simularam sons de baleias e jatos d’água no local que levavam informações sobre o problema, pedindo para as pessoas entrarem no site da ONG e ajudar. A campanha teve grande repercussão na mídia, com divulgação em jornais, programas de TV, rádio e diversos sites.

Lixo fossilizado para conscientizar as pessoas

chromeforacause

chromeforacause

chromeforacause

A Surfrider Foundation, ONG que cuida da vida marinha e dos oceanos, resolveu continuar sua campanha impressa de sucesso com mais duas peças. A ideia da campanha é mostrar objetos de lixo como se fossem animais fossilizados, para lembrar de todo o tempo que eles ficam no oceano antes de se decompor.

No lançamento só havia o impresso que mostra uma sacola fossilizada, agora existem mais duas peças, uma com latas e outra com uma garrafa de plástico. Texto: Quando nós poluímos o mar, poluímos por muito tempo.

Você iria se importar mais se fosse um panda?

chromeforacause

chromeforacause

chromeforacause

Continuação desta campanha da WWF que conscientiza o público sobre o risco do atum ser extinto. A ideia é comparar o atum com animais mais “bonitos” para sensibilizar o público. Você comeria um panda enlatado? A criação foi da Ogilvy de Paris.

Texto: Você iria se importar mais se fosse um panda? O atum azul está em extinção. Assim como as outras especíes eles também precisam da sua ajuda.