Uma vida transtornada na visão das crianças

Depois de crescer, as pessoas aprendem a distinguir o certo do errado. Acontece que esta distinção é formada a partir da educação e o modo de criação que tivemos. As crianças têm um alto poder de absorção de conteúdo, por isso muitos apelidam seus cérebros de “esponjas”.

Justamente por conta desta absorção fácil de tudo que acontece ao seu redor, as crianças devem ser educadas de maneira correta. Pensando nisso, o governo da Escócia divulgou uma campanha composta por três videos, ilustrando situações de nervosísmo ou abandono que poderíam ser evitadas.

Tudo isto visto da visão da criança, captando o que ela vê, ouve e diz. São situações infelizmente comuns no mundo todo onde, agora, podemos enxergar e analisar o que se passa na cabeça de uma criança em relação a atitudes que tomamos. No final de cada peça, é transmitida a mensagem: “Agora que mostramos para você como é, por favor, registre-se para ajudar.”

A criação é da Newhaven.

Astronautas e bailarinas para alertar sobre acidentes envolvendo crianças

Já parou para pensar nos acidentes, seguidos de morte, envolvendo crianças? É difícil falar de um assunto tão delicado, mas é importante revelar que, segundo estudos, 90% dos acidentes envolvendo crianças poderiam ser evitados.

O número assusta. E, para tratar disto de uma maneira “tocante”, a ONG Criança Segura resolveu lançar uma campanha divulgando números preocupantes a respeito da mortalidade infantil por conta de acidentes.

A campanha, veiculada em anúncios e videos, possui duas peças: uma fazendo referência aos meninos, e outra para as meninas. Montadas com imagem de astronautas (para os meninos) e bailarinas (para as meninas), o anúncio relembra o que toda criança deseja ser quando crescer.

A criação é da Y&R.

Campanha contra racismo revela o preconceito de crianças no México

Você se considera preconceituoso? E racista? Muito gente responderia “não” para as duas perguntas, mas o que falamos pode ser diferente do que pensamos. É o que demonstra o video viral que a CONAPRED (Conselho Nacional para Prevenir a Discriminação) divulgou no México.

O video retrata um interrogatório com algumas crianças do país. As perguntas têm como tema dois bonecos de bebês posicionados em cima da mesa. Um boneco é negro enquanto o outro é branco e a entrevistadora começa o questionário pedindo para que as crianças identifiquem qual boneco é o negro e qual boneco é o branco.

Ao decorrer do interrogatório, é perguntado para as crianças qual dos bonecos têm cara de mal; qual dos bonecos é mais feio; e qual boneco elas gostam menos. O negro é unânime nas escolhas.

As justificativas são ainda mais reveladoras. Algumas crianças afirmam que os negros não passam confiança, ou que são maus apenas por serem negros. No final, é feito uma pergunta: “qual boneco se parece mais com você?” e mais respostas surpreendentes surgem.

O video faz parte da campanha Racismo en México, que tem como objetivo justamente acabar com este preconceito ainda muito evidente em todo mundo. A criação é da 11-11.

Ficou chocado? O que você responderia? Será que este video mudou a resposta para a pergunta que fizemos no começo do post? Pense nisso.

Campanha para acolhimento de crianças entre 15 e 17 anos

Antes do natal e o ano novo, a Norwegian Directorate for Children (escritório central do governo norueguês responsável pelo cuidado e proteção às crianças e famílias), decidiu divulgar um video emocionante, convocando as famílias para o acolhimento de crianças entre 15 e 17 anos.

O video ilustra o desenvolvimento de uma criança até alcançar sua adolescência através de seus desenhos. O video ganha história quando os desenhos começam a tomar outro “humor”, ilustrando uma carência e solidão por parte da criança.

A animação termina com um final feliz, e deixa uma mensagem de pedido como assinatura: “Nunca é tarde para ajudar alguém no caminho certo. Precisamos de mais famílias acolhedoras para jovens entre 15 e 17 anos.” e deixa um site para maiores informações.

A criação é da Try/Apt.

Histórias infantis em pílulas que imitam remédio

O que acha de encontrar uma história dentro de uma pílula de remédio? É isso que a ONG Viva e Deixe Viver propõe em sua campanha Pílulas de Esperança.

Com o título: “As vezes, histórias ajudam tanto quanto a medicina”, a peça, criada pela Z+ Comunicação, vende histórias infantis em embalagens que imitam os remédios comercializados diariamente. As caixas contém ilustrações dos famosos contos: “Os Três Porquinhos”, “Chapéuzinho Vermelho” e “A Bela Adormecida”, e cada uma vêm com pílulas contendo os capítulos que compõem a história. Para realçar a relação com os remédios, a bula informa que as pílulas devem ser consumidas uma após a outra.

A Associação Viva e Deixe Viver é uma OSCIP – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, que treina e capacita voluntários para se tornarem contadores de histórias em hospitais para crianças e adolescentes internados em nove mercados do país. Esta ação visa sensibilizar os executivos de grandes corporações sobre a causa da ONG, que contribui para a humanização dos serviços destinados as crianças, integrando no seu cotidiano as condições sensíveis de comunicação e interação com a realidade externa.

E você, já tomou sua dose diária de história?