Seja infectado por um virus bom

O Dia Internacional da Luta contra a AIDS foi marcado por diversas ações que vocês puderem conferir aqui.

Para a mesma data, a Loducca desenvolveu uma ação para a Kore, marca de camisinhas vendida mundialmente. A cada camisinha vendida, uma camisinha é doada no Haiti, país que ainda tem 2% de infectados pelo virus da Aids.

A agência criou uma forma de combater a doença: com outro virus, um virus de computador do bem. Este virus, ao ser instalado, manda uma mensagem a todos os seus contatos de email falando sobre a Aids no Haiti e como combatê-la. Veja o video:

Saiba mais em: http://korevirus.com/

Ações de conscientização da luta contra AIDS

Este último sábado, dia 1º de dezembro foi o Dia Mundial de Luta Contra a AIDS, data apoiada pela campanha RED, que foi lançada pela Global Fund e liderada pelo Bono Vox. A RED é composta por diversas ações, com o grande objetivo de unir forças fazendo parcerias com grandes marcas, que lançam produtos, eventos e novas ideias (RED) para lutar contra a AIDS. No mínimo 50% do valor dos produtos são revertidos em doações para a Global Fund.

Com o objetivo de relembrar a importância da prevenção e conscientizar a sociedade sobre a luta, este ano a Prefeitura do Rio de Janeiro, em homenagem ao dia, iluminou 13 monumentos na cor vermelha. Além do Rio, alguns países como Austrália, África do Sul, Inglaterra, EUA, Canadá, China e Irlanda também iluminaram seus monumentos no dia 1º de dezembro.

Cristo Redentor foi iluminado no início da noite do domingo (1º), Dia Mundial de Luta Contra a Aids (Foto: Alessandro Buzas/Futura Press)

Em São Paulo, o Instituto de Infectologia Emílio Ribas celebrou antecipadamente, nesta sexta-feira (29), o Dia Mundial de Luta Contra a Aids com a soltura de 4 mil balões vermelhos e brancos. A campanha também contou com atividades culturais abertas ao público. Para lembrar a luta contra a Aids, a fachada do Emílio Ribas, na avenida Doutor Arnaldo, em São Paulo, terá um laço vermelho afixado até o dia 25 de dezembro.

No Brasil existem 490 mil pessoas infectadas com o vírus HIV, segundo dados da Unaids (Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids). Por ano, em média, são registrados 36 mil novos casos.

Conheça mais sobre a campanha RED

Às vezes você pode mentir sem saber

Campanha da TBWA/Paris para a Aides, ONG francesa que trabalha no combate à Aids, lembra o público da importância da proteção contra o HIV. Filme produzido pela Control, se destina a todos que acreditam que a Aids só acontece com os outros e incentiva todos a questionarem-se sobre quando foi a última vez em que fizeram o teste.

Na França, cerca de 30 mil pessoas ainda não tem conhecimento do seu estado sorológico, o que coloca em perigo a saúde e promove a propagação do virus. O objetivo com esta campanha é dar um passo grande rumo ao fim da doença.

Os preconceitos envolvendo portadores de AIDS

Quando os primeiros casos de HIV foram descobertos nos EUA, Haiti e África Central em 1977 e 1978, o vírus logo foi definido como AIDS e classificado como uma nova síndrome. A partir de então, o preconceito – aliado ao medo – contra pessoas portadoras da doença, só cresceu.

O receio em ser contaminado é tanto que muita gente desfez amizades, rompeu casamentos, demitiu funcionários e bloqueou qualquer tipo de contato com os conhecidos que se descobriram portadores do vírus. Todo esse afastamento, impulsionado pela falta de informação, acabou isolando aqueles que mais precisam de apoio.

Com o passar do tempo muitos mitos a respeito dos modos de contágio da doença foram caindo, porém ainda há muitas pessoas que se sentem excluídas do meio social por revelarem-se HIV positivo.

Foi pensando em assegurar e acolher os portadores do HIV que o Grupo Vhiver – ONG brasileira fundada com o intuito de criar espaços de convivência e troca de experiências entre pessoas que vivem e convivem com o HIV/AIDS – resolveu divulgar um video com depoimentos de diversas pessoas com doenças diferentes.

A princípio parece estranho ouvir um homem dizer que já foi demitido três vezes por ser alérgico. Contudo, os depoimentos logo se tornam significantes quando a assinatura da campanha entra em cena: “E se o mundo tratasse outras pessoas doentes como tratam os portadores de HIV positivo?”

Para se informar corretamente sobre a AIDS e seus meios de transmissão, acesse o site da ONG, ou o portal do governo criado para falar sobre AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis.

A criação é da Filadélfia.

Você tem preconceito? A AIDS não

1º de dezembro é o Dia Mundial de Luta Contra a AIDS e, para estimular a reflexão da sociedade tanto a respeito do uso da camisinha, quanto a respeito do preconceito, o Ministério da Saúde lançou uma campanha com foco no público homossexual.

Nos últimos 12 anos, a porcentagem de casos de HIV entre pessoas de 15 a 24 anos caiu. Porém, entre gays da mesma faixa etária, este número cresceu 10,1%.

A campanha, que traz o slogan: “A AIDS não tem preconceito. Previna-se”, adotou as cores do arco-íris (bandeira que representa o grupo dos homossexuais), e aproveita para abordar dois grandes problemas: o preconceito e a propagação do vírus da AIDS.

Além do cartaz e do video, está programado para hoje a noite uma Festa da Solidariedade em Brasília. O evento contará com projeção de imagens, flash mob, apresentações, distribuição de preservativos, testes rápidos de HIV e informações sobre a doença.