Fortalize-se

A Fundação Laço Rosa, instituição que mantém o Banco de Perucas Online, um programa pioneiro de doação de perucas pela internet para pacientes com qualquer tipo de câncer em qualquer lugar do Brasil, lançou pelo segundo ano consecutivo, a campanha #fortalizese para incentivar a doação de cabelos. Na plataforma, o doador preenche um formulário, gera um código e consegue rastrear sua doação até que cheguem à Fundação.

Em 2016, foram mais de 13 mil doações que beneficiaram milhares de pacientes em tratamento do câncer em todo o país. Para 2017, há uma novidade: o Corte Solidário, que convida cada doador a fazer uma homenagem às mulheres que lutam contra o câncer, batizando com o nome da paciente o seu corte no salão de beleza parceiro.

Com criação da agência Camisa 10, o vídeo intitulado “Entrevista” une a Patrícia, embaixadora da campanha e também ex-paciente de câncer, e três doadoras de cabelos, protagonizando um encontro emocionante que conscientiza sobre a causa. Assista:

Experimento Assento Incômodo gera polêmica na Cidade do México

 

Milhares de mulheres no mundo todo sofrem ou já sofreram algum tipo de abuso sexual nos transportes públicos e o metrô da capital mexicana tem uma reputação ruim quanto às condições a que suas passageiras são submetidas. Em 2014, uma pesquisa da empresa YouGov sobre assédio no transporte público em todo o mundo trouxe o metrô da Cidade do México como o pior em termos de assédio verbal e físico.

Para mudar esse cenário, a Companhia de Metrô da cidade teve a ideia de mostrar como é “sentir na pele” esse problema e criou a campanha #NoEsDeHombres. Instalou um assento que simula o corpo de um homem, com um pênis, em um assento que só podem ser ocupado por homens. O experimento, realizado pela Companhia de Metrô, foi gravado em vídeo. Segundo um dos vídeos, 9 entre 10 mulheres já foram assediadas sexualmente nos ônibus ou trens metropolitanos da Cidade do México.

Um vídeo viral foi feito para demonstrar a reação dos homens, que estranharam o assento e se recusavam a sentar. Alguns tentaram cobrir o assento para sentar, porém logo se incomodavam e se levantaram. No chão uma mensagem que explicava parte do objetivo da campanha: “É incomodo viajar dessa maneira, mas nem se compara com a violência sexual que as mulheres sofrem em seus trajetos diários”.

Confira o vídeo:

Em uma outra ação, da mesma campanha, eles usaram uma câmera para filmar os glúteos dos homens, que esperavam os trens do metrô na plataforma, e passavam as imagens nos monitores da estação.

Também foi feito um vídeo viral, onde mostra o constrangimento dos passageiros, e no final a mensagem da campanha: “Isso é o que as mulheres sofrem todos os dias”. Confira:

Go Balls Out

 

Abril é o mês da luta contra o câncer de testículo e, para conscientizar os homens sobre a prevenção e o auto-exame, a principal organização da Nova Zelândia na luta contra a doença lançou a campanha online #GoBallsOut. A organização está ligada à Fundação de Câncer de Próstata da Nova Zelândia, a principal instituição de caridade na Nova Zelândia que trabalha na área de cânceres masculinos específicos.

O câncer de testículo é o câncer mais comum e afeta homens entre 15 e 39 anos. Infelizmente, a prevenção ainda através do auto-exame não é comumente praticada, o que dificulta na redução do risco.

A campanha convida as pessoas a sair para correr, usando um dos aplicativos tradicionais de corrida com GPS, fazendo uma rota diferente: é para gerar no mapa o formato de um pênis e, claro, depois compartilhar usando a hashtag. Quem tiver dificuldade de criar a rota, pode usar algumas já pensadas disponíveis no site. A maioria faz correndo, mas o “Vaughn”, a terceira imagem desenhada abaixo, fez o percurso de avião. Também houve um caso de uma pessoa que fez de caiaque. Qualquer pessoa pode participar, acesse o site para saber como.

 

 

 

Salvar

Dia Internacional da Síndrome de Down

Captura de Tela 2017-03-21 às 19.17.19

Hoje, dia 21 de março, é o Dia Internacional da Síndrome de Down, data que desde 2006, tem sido reservada para se discutir e pensar em políticas públicas que possam contribuir para que as pessoas com a síndrome possam exercer plenamente sua cidadania.
Este ano o tema de discussão que norteará as ações que acontecerão no mundo todo é “Minha Voz, Minha Comunidade”. Segundo o site da Federação, “O assunto definido busca ampliar a discussão da inserção da pessoa com síndrome de Down na participação das políticas e ações governamentais. A proposta é de que se avaliem as principais propostas voltadas para as pessoas com SD e se realmente é garantida a inclusão efetiva dessas pessoas. Outro ponto levantado pela campanha é de se pensar como os defensores podem se envolver efetivamente nesse processo, desde campanhas na mídia, até a defesa política direta. A capacitação das pessoas com síndrome de Down na defesa si próprias e a definição de ferramentas facilitadoras são também sugestões a partir do tema.”

Em todo o país estão previstas palestras, caminhadas, simpósios, entre outras atividades.

Mais informações sobre a discussão: https://worlddownsyndromeday.org/wdsd-2017

Veja a lista de eventos que acontecerão esta semana: http://www.federacaodown.org.br/portal/index.php/noticias/eventos/156-dia-internacional-da-sindrome-de-down-2017

 

Salvar

8M Greve

O Dia Internacional da Mulher é sempre marcado por ações importantes. Hoje, mulheres de pelo menos 55 países estão se unindo em uma greve geral, inclusive no Brasil. Aqui em São Paulo, um grande encontro está marcado na Av. Paulista com mais de 10 mil mulheres confirmadas e as mulheres prometem greve em todas as capitais brasileiras, já são mais de 25 capitais com eventos marcados. As paralisações e manifestações questionam a desigualdade e a violência de gênero.

8M Brasil_4

No dia 16 de Outubro de 2016, na Argentina, Lucía Perez, uma menina de 16 anos, foi drogada, estuprada e morta. O brutal feminicídio gerou uma revolta muito grande nas mulheres argentinas, que se juntaram e organizaram uma greve de uma hora que ecoou por toda a America Latina. O grito “Ni Una a Menos” (“Nem Uma a Menos”) inspirou centenas de milhares de mulheres a se unirem ao protesto e surgiram, nas redes sociais, as tags #NemUmaAMenos e #TodasVivas. Atualmente, a maioria das manifestações tem utilizado as hashtags.

Na Polônia, as mulheres também entraram em greve em outubro de 2016. A pressão era contra um projeto que endureceria a legislação sobre a interrupção da gravidez no país, uma das mais restritivas da Europa. Assim como por aqui, alguns países vizinhos decidiram organizar greves solidárias para chamar atenção para as lutas das mulheres locais.

A luta pelos direitos da mulher, contra o feminicídio, as diferenças salariais entre gêneros, pelo direito ao aborto livre e pelo fim da cultura do estupro segue envolvendo mulheres do mundo todo todos os anos. Hoje, para mostrar como as mulheres são importantes e fazem falta no seu trabalho e nas tarefas do dia-a-dia, na maioria das vezes trabalhos não reconhecidos, a chamada é para as mulheres faltarem nos seus trabalhos, não fazerem nenhuma tarefa doméstica e se unirem às manifestações.

Se nossas vidas...2

O número de mulheres no mundo que sofrem violência doméstica, abusos sexuais e morais é enorme, e algo precisa ser feito para mudar isso. A partir dessas recentes lutas, se originou o chamado para a Greve Internacional de Mulheres no Dia Internacional da Mulher.

2

  1

Saiba mais sobre a greve no Brasil em: https://www.8mbrasil.com/https://www.facebook.com/GrevedeMulheres/

E acompanhe o que está rolando no mundo com a #8M: https://twitter.com/hashtag/8m

Pensando em um dos problemas graves que as mulheres sofrem, o Manterrupting, termo usado para descrever quando um homem interrompe uma mulher desnecessariamente, a agência BETC Brasil aproveitou a data e lançou um aplicativo que detecta quantas vezes os homens interrompem as mulheres.

“Esse é um tipo de violência que não ganha tanto a atenção das pessoas, mas é um problema muito grande. O ato de interromper uma mulher gera uma opressão à sua opinião e sua expressão e pode ser o primeiro passo para desencadear outras violências maiores”,  copresidente da Havas Creative e da BETC Brasil, Gal Barradas. Confira o vídeo do app:

Salvar

Salvar